quinta-feira, 3 de janeiro de 2013

Preconceito contra brasileiros em Portugal

Oi

Primeiro temos que falar a verdade: HÁ PRECONCEITO CONTRA BRASILEIROS EM PORTUGAL SIM. 

É enorme? Não. É grande? Em geral, não. É perceptível? Sim, é. Interfere com a minha vida? Não. Mas pode interferir com a vida de pessoas que necessitem de emprego. Já conversei com portugueses que foram explícitos em dizer que não contratam brasileiros nem com as melhores referências do mundo.

Há preconceito APENAS contra brasileiros? Nem de longe! Na verdade, por ser um povo muito antigo e bastante homogêneo até recentemente, os portugueses são relativamente xenófobos. E como levam o patriotismo aos píncaros, sempre se têm na mais alta conta, obviamente relegando o que é estrangeiro para um nivel bem inferior. Como diz o Docinho sempre: eles se acham a "última batatinha da pacote"! E é verdade.

Os meios de comunicação só fazem reforçar este problema. Se um português soltar um pum em Nova York será notícia na TV. De resto, mal se ouve falar dos outros países do mundo. As notícias deles são sobre eles, o tempo inteiro, todos os dias, em qualquer canal, em qualquer jornal. Notícias internacionais são poucas e no geral voltadas para as tragédias. Atualmente, com o problema da intervenção do FMI e da União Européia, as notícias internacionais são exclusivamente para meter o pau nos estrangeiros que querem sacanear Portugal, roubar o país e levá-los à falência, porque, claro, eles não têm culpa da situação econômica péssima em que o país se encontra! Isso é tudo culpa dos banqueiros internacionais!! É um discurso meio PCB dos anos 80 no Brasil... mas mesmo os partidos de esquerda brasileiros evoluíram imensamente nos últimos anos e já acabaram com este blá-blá-blá... aqui, não. 

Sendo esta a percepção deles dos estrangeiros, há um outro aspecto: Portugal não fez nada de importante no mundo nos últimos 400 anos. Desde os Descobrimentos e do Império Colonial Português que eles não tiveram mais sucessos em nada. E se apegam imensamente a este passado de grandeza. E olham pouco para o presente ou mesmo para o futuro, sempre se auto-vangloriando a respeito da grandeza portuguesa, do tanto que o país fez pelo mundo e etc, etc, etc. Enfim, é um país pequeno, periférico na Europa, sem expressão cultural, sem expressão econômica, sem poder efetivo na Europa, mas com um passado (distante) grandioso. E isso pesa MUITO para eles. Daí, ao meu ver, a grandiloquência do discurso diário no país... o melhor jogador do mundo é, claro, português, assim como o melhor técnico, o melhor vinho, o melhor... escolha. Sempre se tratam assim. Obviamente que isso leva a distorções graves na auto-imagem.

E voltando à vaca fria, isto é, ao preconceito. O que tudo acima tem que ver com isso?

TUDO!
Quando você é o melhor e todos os demais são piores do que você, é fácil ser preconceituoso. 

Contribui para o preconceito também o fato de que quem emigra, em geral e com as devidas boas exceções, pertencer a três possíveis classificações:

1) a rapa da mandioca, o pior da sociedade, aquele que não consegue nada na sua terra, ou precisa fugir dela. São frequentes as prisões de assaltantes ou prostitutas de origem brasileira em Lisboa;

2) a elite, aquele que procura opções que seu país não propicia e pode se dar ao luxo de sair do país para buscar seus objetivos;

3) há um grupo grande de pessoas que vem para trabalhar como loucos, juntar dinheiro, sustentar parentes no Brasil, enfim, batalhar. Mas estes em geral são pessoas simples, com baixa instrução e costumes que, para eles, os tornam mais próximos do grupo (1) do que do (2). 

E o (1) é MUITO superior em números ao (2). A exposição deles aos brasileiros nas últimas décadas, com as devidas exceções, volto a repetir, foi majoritariamente ao (1) e (3) do que ao (2). Então a impressão geral do país sobre os brasileiros é que gente malandra, barulhenta, que só quer ganhar e não quer pegar no pesado, de mulheres fáceis ou mesmo prostitutas.

Mais ou menos como os brasileiros têm a idéia geral do português como um cara bronco e burro, dono de boteco ou padaria, sovina. E esta noção veio da leva de portugueses que ia para o Brasil ainda no Império (a rapa da sociedade deles!) e também do que foi para o Brasil no pós-guerra. 

Em suma, acho que as contingências históricas portuguesas e a exposição que as sociedades tiveram ao perfil viciado de seus cidadãos levou a um preconceito mútuo. MAS o futuro é melhor do que o passado, porque com o novo intercâmbio que está havendo entre Brasil e Portugal, em especial com esse furor que eles têm sobre o nosso país recentemente, faz com que as pessoas se exponham não ao pior das sociedades, mas sim ao melhor. Mais estudantes universitários e de mestrado/doutorado estão vindo para Portugal (devido à melhora econômica no Brasil), mais portugueses com boas qualificações estão indo para o Brasil e este intercâmbio, ao meu ver, diminuirá MUITÍSSIMO o preconceito mútuo que há entre os dois povos.

IMHO.

(bicho, que post chaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaato!!) kkkkkkkkkk

Abs

Coração
PS: estou super-aberto a discussões sobre o assunto. 

33 comentários:

  1. Oi... confesso que fiquei meio com receio após o seu post. Terminando minha faculdade aqui no Brasil gostaria de passar um tempo no exterior, para trabalhar, morar, conhecer... Estava em dúvida entre UK e Portugal, estava escolhendo Portugal pela "facilidade" em conseguir visto e não tem a barreira do idioma, mas depois disso e uns videos no Youtube... Irei pensar melhor.
    marcelo-sda@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marcelo, não se intimide pelo preconceito conforme eu o descrevi no post. Isso há em TODOS os países que conheci em relação a brasileiros (e sul-americanos em geral, diga-se de passagem). Achar que são lindos e maravilhosos e que são bem-vindos e amados é uma auto-imagem engraçada que muitos brasileiros têm da percepção do Brasil no estrangeiro. E é falsa! Esse papo de brasileiro ser muito amado e bem recebido em qualquer lugar é verdadeira ENQUANTO TURISTA. Afinal, todos gostam de um turista simpático, agradável, sempre espirituoso, gastador, até mesmo barulhento. Mas ninguém gosta deste mesmo cara como vizinho! Portanto, na minha experiência pessoal, haverá o mesmo preconceito que há aqui em Portugal contra brasileiros em muitos lugares (posso falar com fundamentos por Reino Unido, França, EUA, Espanha, Canadá e Portugal). Tanto maior será o preconceito quanto maior for a exposição daquele povo à rapa da mandioca da nossa sociedade a que o dito povo tiver sido exposta. Em países onde a presença de imigração intensa de brasileiros não for comum, provavelmente o preconceito será menor, mas não sei dizer por experiência pessoal.
      Não ache que no Reino Unido haverá menos preconceito, viu? Há e muito, não à toa que grande parte dos estrangeiros vive em "colônias", guetos ou outras formas de se auto-apoiarem e de terem amigos. Todos gostariam de se inserir nas sociedades onde vivem, mas não é muito fácil. Alguns têm mais sorte do que outros, mas certamente não é a maioria que consegue.
      De todas as formas, acho que sua idéia é muito interessante e eu a levaria a cabo, sim, sem dúvidas. Se tens chances de fazê-lo, faça-o. A experiência de vida que vai adquirir é impagável e contribuirá (muito) no seu futuro pessoal e até mesmo profissional.
      Abs e boa sorte.
      Coração

      Excluir
    2. Embora concorde plenamente com o que foi escrito acerca do preconceito (sou portuguesa, vivo em Portugal e sou casada com uma pessoa de nacionalidade brasileira), concordo também que preconceito existe em todo o mundo e o essencial é ser superior a isso. Mas para o Marcelo: se pretende encontrar um emprego, Portugal não é mesmo o melhor local! Digo isto porque a pessoa com quem casei procurou emprego durante mais de 5 meses. Se mesmo para portugueses é muito complicado, para estrangeiros é pior ainda (porque não há empregos! em nenhuma área!! no máximo vai encontrar vagas na restauração, a ser fortemente explorado, sem horários e sem pagamento fixo).

      Excluir
    3. Olá Anônima Portuguesa :)

      Sim, assino embaixo da sua colocação. Exceto para pessoas em áreas muito específicas (médicos com certas formações, programadores informáticos e etc) a situação do emprego aqui está complicada. Aliás, não só em Portugal, mas em todo o sul da Europa, ao contrário do que está acontecendo no norte (em especial na Alemanha).

      Agora, quanto ao ser "fortemente explorado", isso é a regra da maioria dos trabalhadores no mundo, inclusive no Brasil, pois essa vidinha regrada e certinha e cheia de direitos que há aqui não existe na maior parte dos países capitalistas, portanto, não será grande surpresa para o brasileiro médio.

      Uma hora destas tenho que fazer um post sobre a visão de trabalho precário de vocês e como isso soa engraçado para todos aqueles que vêm de fora... mas fica para uma outra hora.

      Abs e obrigado pela colaboração. É sempre bom ter um português comentando aqui no blog para dar um contraponto à minha visão das coisas.

      Coração

      Excluir
  2. Falar de Portugal para quem viveu lá não é difícil. Só tenho a lamentar. Não acrescenta nada a nossa cultura e ao nosso conhecimento, infelizmente. Um povo pobre de espírito, cheio de preconceitos e limitações. Além das experiências seguidas de pessoas que não pareciam, mas depois de quatro anos de convívio, foi desonesta sem nenhum escrúpulo, sem falar dos outros casos mais graves neste sentido. Não recomendo a ninguém, fui para estudar e trabalhei para ganhar experiência e manter o curso, mas foi desperdício, além da má qualidade, não vale o desgaste. Portanto, quem quer estudar pós, nunca opte por Portugal, não enriquece em nada. Vá para outro país que ao menos aprende-se uma nova língua e tem bons autores e figuras que marcaram de alguma forma e em alguma área de conhecimento em nível mundial. Obrigada.

    ResponderExcluir
  3. Olá...estava mesmo procurando por algo que me fizesse acreditar que não estava sozinha. Moro em UK e trabalho com mais 4 portugueses que agregam tudo isso que vc descreve acima. Me sinto muito chateada com os comentários preconceituosos em relação a tudo o que venha do Brasil, uma vez que a empresa onde trabalhamos gira em torno da cultura brasileira. Tento esclarecer da melhor forma os assuntos, sem querer comparar a cultura brasileira com a irrelevância da cultura do portuguesa pelo mundo, mas mesmo assim sinto uma tremenda falta de respeito. E isso se aplica aos angolanos também, aos quais eles se referem como 'pretos'. Passei a acreditar que toda vez que eles dizem que a música brasileira é uma merda, sem nem ao menos terem ouvido falar de bossa nova e não saber a diferença entre samba e funk, dá-se pelo fato de ser um povo, em sua maioria, fechado pro novo e extremamente negativo. Dado a atual situação econômica em que se encontram, acho que é isso mesmo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depende da cultura do português como indivíduo e depende da cultura do brasileiro como indivíduo. A cultura portuguesa também tem muito lixo e muita merda feia, e nos como portugueses mais cultos sabemos distinguir que temos, agora nao me venha dizer que a cultura brasileira é toda ela óptima e relevante, porque se formos a contar o grau de crime praticado no Brasil, o grau de literaçao agregado no Brasil, e a Origem da cultura presente no Brasil, talvez Portugal nao seja tão mau e irrelevante como diz.

      Excluir
    2. Aproveito para referir mais um ponto, quem é branco masculino e ja pisou o chão de Angola sabe que preconceito e racismo em bruto sao extremamente praticados e apoiados tanto pelas forças da lei como por civis em geral, agora eu lhe pergunto, como é que nos tempos que decorrem, depois de tanta suposta evolução de mentalidade, como é possível ainda existir um racismo tão grave por parte do povo africano? nao é sempre assim com todos, tenho grandes amigos meus que nasceram em angola e Moçambique, estão a morar em Portugal e são grandes amigos meus, mas como é que a culpa recai sempre no português? A questão das colônias ja foi ultrapassada a muito tempo, assim como o ódio também o devia ter sido

      Excluir
    3. Henrique, creio que você não tenha atentado para o corpo do meu post. Há preconceito, sim, em Portugal. Mas certamente, na minha visão, isso melhorará na medida em que o país estiver mais exposto ao "internacional", o que certamente acontecerá agora em maior intensidade com a leva de portugueses que emigraram devido às condições economicas atuais. Mas, observe, o post é sobre Portugal porque moramos aqui. Não disse que não há preconceito em outros lugares. O Brasil é um país extremamente preconceituoso, embora o brasileiro médio não ache isso. Entretanto há óbvio preconceito contra negros e pardos e pobres, no Sudeste e Sul há imenso preconceito contra nordestinos, há preconceito contra outros sul-americanos em geral (bolivianos e paraguaios em particular), enfim, há preconceito em todo lado.

      O post não é contra Portugal, mas apenas um relato da realidade e uma explicação, simples, das MINHAS impressões do motivo de existir preconceito contra brasileiros. E nem tiro a razão totalmente a quem tem este preconceito, pois no geral as pessoas criam imagens de outras baseadas em exemplos prévios a que foram expostos. E o caso brasileiro em Portugal não ajudou muito no passado...

      Portugal não é mau. Nem bom. Simplesmente é.
      Entretanto, no cenário internacional, é irrelevante, sim, por mais que não seja bom de ouvir. Ainda assim é um ótimo lugar para morar. A Suíça é irrelevante no cenário internacional - exceto pelos bancos e lavagem de dinheiro - e ninguém discute que é um ótimo lugar. Outros lugares irrelevantes no mundo podem ser também bons de viver - ocorre-me agora Finlândia, Dinamarca, Nova Zelândia, Bahamas, Luxemburgo - ou nem tão bons de viver - Zâmbia, Guiana, Bolívia, República Dominicana.

      Não há ódio entre Brasil e Portugal. Aliás, exceto durante a guerra de independência, acho que jamais houve. Vivemos e sempre viveremos em harmonia, com as ondas a mudarem de direção de acordo com a maré da sorte favorecendo ora um país, ora o outro.

      Abs

      Coração

      Excluir
    4. Estive em Portugal e duma forma quase feral, é um.povo burro e preconceituoso. País que tem igrejas e monumentos bonitos, mas só. Tem pessoas boas, mas a grande maioria que me deparei, são uns ignorantes. Brasileiros são infinitamente mais inteligentes e educados, mas por causa das nossas mazelas, que muito veio da ridícula colonização que tivemos, vivemos num país que da ate vergonha em matéria de infra-estrutura se comparado com a Europa. Mas, até entendo o porque de serem uns arrogantes e preconceituosos, pois são do pior país da zona do euro, além de serem burros de dar dó. Sinto vergonha de ter como parte da minha descendência um povo que tem de usar calculador pra dar troco de 4 euros quando recebem uma nota de 10. Povo burro e mal educado. Nao se ganha nada indo nesse país.

      Excluir
  4. Olá, meu nome é Anna.
    Procurei maiores informações sobre preconceito porque penso em fazer uma pós ou mestrado em Portugal, e recentemente essa notícia teve repercussão por aqui:

    http://noticias.uol.com.br/album/2014/01/30/campanha-denuncia-casos-de-discriminacao-e-xenofobia-na-universidade-de-coimbra.htm?abrefoto=7&fb_action_types=og.recommends&fb_source=other_multiline

    Será que a xenofobia é tão forte assim? Me preocupa a imagem que tem principalmente das mulheres.
    Creio que o brasileiro sofre preconceito em qualquer país estrangeiro, mas esse fato gerou mais xenofobia ainda entre ambas as partes, principalmente porque as pessoas generalizam muito.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Ana!

      A sua pergunta foi respondida em post completo:
      http://docinhopelomundo.blogspot.pt/2014/02/preconceito-com-brasileiros-em-portugal.html

      Qualquer dúvida é só avisar, ok?

      Bjinhos

      Docinho

      Excluir
  5. Eu tenho 3 amigos portugueses e quando conheci eles não fazia idéia de que havia preconceitos contra brasileiros em Portugal, porque os portugueses que conheço NUNCA me desrespeitam em nada, pelo contrário, estão entre as pessoas mais bem educadas e boa gente que conheço.
    Depois que descobri que havia o preconceito contra mulheres brasileiras em Portugal, que tinham fama de serem fáceis e até prostitutas, fui perguntar sobre isso para um deles e ele disse que não podia-se dizer isso de maneira alguma, que conhecia brasileiras muito boa gente e que até existiam prostitutas brasileiras lá, mas que era um erro colocar as coisas deste jeito.
    Não que eu não acredite que existam portugueses preconceituosos. É claro que existem. Mas existem pessoas assim em toda parte, não se pode estereotipar de forma alguma. Do mesmo jeito que existem brasileiros preconceituosos.
    Li em um site há pouco tempo um comentário de um brasileiro dizendo que devia ser proibida a entrada de portugueses no Brasil e sinceramente, fiquei chocada. Como uma pessoa pode dizer tanta asneira?! É absurdo.
    Partilho da sua opinião de que para o preconceito acabar as pessoas dos dois países deviam se conhecer melhor, porque preconceito é pura ignorância.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Igme,

      Como dissemos, preconceito há. Não é intenso, mas sente-se em alguns momentos. Incomoda um pouco, mas acredito que qualquer um que resolva ir morar em um país que não o seu de origem já deva contar com algum grau de preconceito (às vezes há preconceito DENTRO do próprio país contra seus próprios nacionais! Imagina com pessoas de culturas totalmente diferentes?). Certamente que há países muito mais preconceituosos em relação aos estrangeiros em geral, mas não podemos deixar de mencionar para quem resolve vir aqui morar (ou estudar ou ficar um tempo mais longo) a realidade da coisa. Estar bem preparado, até mesmo do ponto de vista emocional e estrutural, é importante.

      Abs

      Coração

      Excluir
  6. Gostei do blog.fui muito bem tratado em Portugal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De uma forma geral nós também fomos. O que não exclui haver preconceito, claro. Por outro lado, tivemos contato com algumas pessoas que dizem ter sofrido um bocado de preconceito. NÓS não vimos isso acontecendo fortemente, mas sutilmente, sim, vimos. E só isso que podemos relatar.

      De todas as formas, fica o registro.

      Abs

      Coração

      Excluir
  7. A autora desta blogue quer e, muito bem, apaziguar as relações entre os povos. Mas, não o vai conseguir, porque está a ser preconceituosa e xenófoba. Como é que quer construir boas relações quando diz que um país e a sua cultura são irrelevantes? Se somos assim tão irrelevantes, o que a trouxe a Portugal? Se fosse a si, escolhia antes para viver os EUA, o Canadá ou a Rússia, um país de grande dimensão, uma grande potência. Assim, ia-se sentir muito melhor, ciente de que estava a viver num país que, todos os dias, surge nos noticiários internacionais. Vocês, brasileiros, sofrem de um imenso, mas imenso complexo colonial. O Brasil não é inferior a Portugal, Portugal não é inferior ao Brasil. Nenhum país é inferior ou superior a outros, não há pessoas superiores ou inferiores. Não há ninguém, no mundo, que seja superior ou inferior à minha pessoa. Deixem-se de comparações sem sentido, de colocar fronteiras idiotas entre os povos, de gerar sentimentos que podem degenerar em guerras. Mas será que o ser humano não aprende nada com tantos e tantos anos de evolução? Eu quero lá saber se uma pessoa é magra, feia, gorda, inteligente, menos inteligente, de uma aldeia, de uma cidade, católica, judia, muçulmana, budista, com muitos cursos ou sem estudos, doente ou com saúde, se é portuguesa como eu ou brasileira ou tibetana, chinesa, africana, gay ou hetero, branca ou negra, velha ou nova. Eu não quero saber disso para nada. Agora, há uma coisa que é fundamental: essa pessoa respeita-me, essa pessoa tem bom carácter? Isso é que me interessa, isso é que é o fundamental. Tudo o resto é circunstancial. Por acaso, eu escolhi ser branca, portuguesa e de uma família de classe média? Por acaso eu fui responsável pelos descobrimentos do meu país? Por acaso eu sou responsável pelo facto do CR7 ser português? Por acaso sou eu que mando no Governo quando este governa mal, toma más ou boas decisões? Porque os políticos também tomam boas decisões, não são todas más. Por acaso eu tenho capacidade de intervir? Há pessoa fechadas ao novo? Há, mas eu não sou fechada ao novo. Adoro inovações, adoro o progresso, adoro construir coisas novas, adoro o conhecimento, adoro o diferente, adoro falar com pessoas de outros países.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Sandra.

      Vamos por partes:

      1) ninguém quer colocar panos quentes em nada. O objetivo do blog é relatar nossa vida e experiências em Portugal. Simples assim. Se há preconceito, e há, temos que relatar. A análise dos motivos é uma suposição. Não sou sociólogo (ou psicólogo) para fazer uma avaliação com precisão, mas acredito que o que escrevi relata muito bem a nossa experiência em Portugal e a análise, ainda que não "profissional", foi feita de boa-fé.

      2) ser irrelevante não tem nada a ver com xenofobia. A República Eslovaca, Zâmbia e muitos outros países são tão irrelevantes para o mundo quanto Portugal e não isso não os torna menos países. Porém são irrelevantes. E um país não precisa ser grande para ser importante... veja bem a Alemanha, a Holanda, Israel ou a Inglaterra, países bastante pequenos, mas MUITO relevantes.

      3) ao contrário do que o seu comentário sugere ("vocês brasileiros sofrem de um imenso complexo colonial"), nós sequer lembramos que fomos colonizados por vocês. Aliás, exceto por falarmos a mesma língua, sequer lembramos que Portugal existe, não lemos sobre vocês, não assistimos aos seus filmes, não temos qualquer tipo de pensamento a respeito do seu país, exceto, claro, no tocante à comida e ocasionalmente outros assuntos. Portugal é irrelevante para o mundo, mas é também muito irrelevante para o Brasil, daí que nós não temos o tal complexo de que nos acusa. Fomos colônia, claro, mas superamos em muitos aspectos nossos colonizadores, assim como várias outras colônias o fizeram - e outras, não. Coisas da vida.

      4) viemos para Portugal exclusivamente por ser fácil e simples. Era em verdade nossa última opção. As demais levavam muito mais tempo (devido às burocracias) e queríamos sair do país enquanto nossa filha ainda não estava estudando. Mas nossa intenção era ficar no máximo por 1 ano (daí o título do blog na parte "pelo mundo")... infelizmente as coisas foram complicando e nós fomos ficando. Acontece.

      5) admiro que você seja uma boa pessoa e não se importe com as diferenças que mencionou. Infelizmente, o mundo não gira em torno do que VOCÊ pensa, sente, faz ou da forma como age de forma individual; a maior parte dos demais habitantes do planeta, e também do seu país, não pensa, age e etc da mesma forma. E como a maioria é quem dita as regras, o blog simplesmente transmite nossa experiência numa terra estranha para pessoas que possam querer aqui vir viver ou passar algum tempo.

      De todas as formas, cara Sandra, obrigado por expressar sua opinião. Sempre é interessante ter uma noção do que as pessoas aqui em Portugal pensam.

      Abs

      Coração.

      Excluir
  8. heheheh concordo, Coração! Acho hilariante quando vejo portugueses falarem em "complexo colonial", sendo que, como você falou, os brasileiros sequer lembram que Portugal existe ou que foi colonizado por este país. É uma situação única! Morei na Argentina e os argentinos por sua vez têm muito respeito por Espanha e pela cultura espanhola ,e consomem-na em grandes quantidades. Foi uma surpresa. Já no Brasil, Portugal só é lembrado nas piadas de portugueses ou quando o país entra em crise, como agora. É um contraste marcante em relação a eles mesmos, que consomem avidamente um montão de produtos culturais brasileiros.

    Complexos têm, aí sim, os portugueses. E como têm! São um povo com um complexo de inferioridade como poucas vezes vi igual. Nesse ponto discordo de você quando diz eles se têm em alta conta. São extremamente sensíveis ao que um estrangeiro pensa deles (sobretudo se for europeu de outros países) e mesmo em relação aos brasileiros se estes não estiverem no padrão de imigrante pobretão que você indicou. Eu não estava - pertencia ao 2 que vc falou, apesar de não ser da elite, e sim da classe média - e percebia isso claramente. Qualquer comentário mais sarcástico que eu fazia era imediatamente entendido como uma provocação a Portugal e a reação era, em geral, irritadíssima.

    Concordo que o português tende a não olhar o presente e o futuro, mas sim o passado, e a culpar os outros. Em tudo. Isto é o pior que conheço da cultura deles e verifica-se tanto em nível pessoal quanto coletivamente. Um português erra? A culpa é do colega ao lado. O país está na merda? A culpa é da troika ou da austeridade. Não dos governos corruptos, não do povo indolente e pouco inovador, do baixo nível de escolaridade (isso me impressionou, a quantidade de pessoas com 4 ou 5 anos de estudo na área em que morei), da cultura que pouco favorece o empreendedorismo, etc, etc. Neste ponto o brasileiro me parece muito melhor. Somos muitíssimo mais auto-criticos e por isso avançamos.

    Concordo também que as coisas tendem a melhorar. Hoje em dia, graças à destruição econômica do país, a comunidade brasileira vem decaindo em Portugal e sobretudo aqueles que fazem parte do grupo 1 e também do grupo 3 que você falou. E vem aumentando o número 2. Já não vale a pena largar tudo e mandar-se para Portugal "ver no que dá", pois a realidade é que não dará em nada. Hoje há um número gigante de estudantes brasileiros em todas as universidades portuguesas, no mestrado, na graduação e no doutorado.

    E isso me leva a outro tema. Portugal hoje é um país muito dependente do Brasil. O Brasil é o maior investidor estrangeiro em Portugal, os turistas brasileiros são os que mais gastam em Portugal, os brasileiros compram terrenos casas, empresas portuguesas e até mesmo as universidades portuguesas estão dependendo de alunos brasileiros. Lembro que quando o governo brasileiro cortou as bolsas para Portugal do Ciencia sem Fronteiras, os reitores portugueses apressaram-se em correr para o Brasil praticamente implorando que Portugal fosse novamente incluído (foi excluído porque a qualidade das universidades lusas deixou muito a desejar) - uma situação, diga-se de passagem, vexatória, subserviente e até covarde. Não aconteceu. Resultado: as universidades portuguesas hoje aceitam o ENEM como forma de admissão, a fim de colocar o máximo de alunos brasileiros - leia-se, $$$ - para dentro, mesmo sem o Ciencia sem Fronteiras. E o mesmo acontece com os mestrados e doutorados. O aluno português não tem dinheiro para pagar faculdades, os jovens (potenciais estudantes, portanto) fogem do país e o espaço precisa ser ocupado por alguém. Quem? Os alunos brasileiros, que ainda têm grana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. .

      Também por isso, por necessitar miseravelmente dos brasileiros, e cada vez mais, creio que estes problemas de discriminação se reduzirão a zero. O pior cenário para estas universidades é a divulgação, no Brasil, de casos de maus tratos a estudantes brasileiros. Isso os faria perder uma importante fonte de renda. Porque acham que o governo português aceitou o acordo ortográfico sem pestanejar? Porque quer colar na aba do Brasil a todo custo.

      Talvez aquela profecia, lançada pelo Financial Times há uns 2 anos, se cumpra: Portugal acabara se tornando uma província ultramarina do Brasil.

      Enfim, apenas algns pensamentos sobre um excelente post

      Um abraço!
      Ricardo

      Excluir
    2. Olá :) Sou portuguesa e não tenho complexo de inferioridade nem de superioridade em relação ao Brasil e não penso que a maior parte dos Portugueses tenha (como vocês estão a afirmar). Não vejo isso como uma competição, não vejo o Brasil a melhorar a sua situação e penso: "Ora, bolas! Já nos estão a ultrapassar!" e não conheço nenhum português que o faça! Quando dá nas noticias cá em Portugal que há algum problema no Brasil fico triste, quando vejo que estão bem fico feliz. Mas sim pensamos bastante em vocês como país e temos interesse, eu sentia que voces eram um pouco como os nossos irmãos distantes mas agora vejo que não é bem assim.
      Quando foram as eleições aí ou toda aquela situação com a Dilma, por exemplo, Portugal inteiro andava a acompanhar nas noticias, passava nos telejornais e as pessoas falavam bastante no assunto e com uma certa preocupação. Aqui passa musica brasileira, as pessoas vêm telenovelas brasileiras, lemos livros de autores brasileiros, comemos comida brasileira... As pessoas adoram a cultura brasileira! Não a desprezam ou têm inveja! Porque, embora vocês não concordem, também, a nossa cultura é fascinante, pelo menos eu gosto. Há preconceito sim, mas isso há em todo o lado quanto às pessoas de fora (e penso que isso está aos poucos a melhorar cá em Portugal) e também há contra os Portugueses por vocês Brasileiros. Já conheci brasileiros que me disseram que TODOS os portugueses eram burros e por isso eu também devia ser... E não é por isso que eu condeno um povo inteiro.
      Quanto à situação económica sim estamos muito mal, quanto a sermos irrelevantes somos nalgumas áreas, noutras temos conseguido alcançar coisas muito boas (tantos investigadores portugueses premiados nos últimos anos). Quanto a não sermos inovadores... Quem inventou a caixa-multibanco? E a via-verde e tantas outras coisas. Tantas empresas de jovens que têm surgido nos últimos tempos. Sim, temos muitos problemas e concordo que a qualidade das universidades seja muito má nalguns cursos, sendo que é preciso ter muito cuidado na hora de escolher e aprender a estudar sozinho porque a maior parte dos professores universitários aqui não prestam. E sim, temos uma certa cultura milenar de deixar as coisas à mercê do destino e pensar e sofrer com saudades do passado mas isso está a mudar aos poucos! As pessoas estão motivadas e são trabalhadoras, vamos melhorar :) É pena que tenham tão má opinião deste país e que vejam tudo tão negro.. Porque nós cá, à boa maneira portuguesa, vamos andando e bem! E de uma maneira ou de outra vamos lutar e sair desta crise que já cansa, que separa famílias e obriga os jovens (bem formados)a emigrar.
      Cumprimentos!
      P.S: Parabéns ao Brasil pela Bossa Nova!É só a melhor coisa do mundo. Tinha-me esquecido de dizer

      Excluir
  9. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  10. Brasil Potência econômica mundial, não percebo porque tem favelas

    ResponderExcluir
  11. Amei vossos comentários Ricardo, Coração, eu tbm estou em Portugal e sinto uma rejeição tão gigante dos portugueses q decidi, só ando com t shirts c a bandeira brasileira, faço questão de comprar com meu cartão do banco do Brasil. E os q se lixem... Não preciso que sejam cordiais comigo, eles não nasceram p ser felizes... E sim para serem os melhores, os puros, os sábios, ao contrário de nos Brasileiros, nascemos para sermos felizes, e se aki em Portugal morar nossa felicidade... Viajamos sobre o oceano e aki estamos.. Sem culpa... Emprego??? Péssimo, mas inda eh tranqüilo de viver, enquanto tiver meios $$$, fico, qdo não, retomo minha vida no meu paraíso... NATAL/RN que amo!!! E q vá todos os povos do planeta para Natal, serão muito bem recebidos. Bjinhos
    Sanzya

    ResponderExcluir
  12. Pelos comentários que aqui vejo concluo que o Brasil deve ser um paraiso. Faço votos para que continue assim....

    ResponderExcluir
  13. Rapaz, que rumo tomou a discussão, hein!! Sou brasileiro e morei em Coimbra entre 2008/2009. Fiz Erasmus na FDUC. Chamou-me a atenção, à época, a educação/civilidade dos jovens portugueses. Também dos adultos. Havia sim ALGUNS mais velhos (e há muitos idosos em Portugal!!), com seu jeito turrão caricato, e adultos que não tiveram educação (escolar), cujo nível de civilidade era mais baixo (um pouco abaixo à média do brasileiro, diga-se). Nunca, nem de longe, senti qualquer tipo de preconceito, muito pelo contrário. Fiz um bom amigo português, que por acaso depois veio a morar no Brasil, porque se encantou por uma brasileira. Conheci sua família, inclusive convidaram-me para passar o reveillon 2008/2009 com eles e outros amigos tugas. Mais pessoas fantásticas, respeitosas, muito bem educadas, civilizadas. Algo que pouco se vê no Brasil, mesmo em "rodas" de brasileiros pretensamente cultos/estudados. Há preconceito em Portugal? Sim, deve haver. Como há no Brasil, muito. Mas o nível de civilidade dos portugueses, em geral, supera E MUITO o nível de civilidade dos brasileiros. E isso faz ENORME diferença na vivência diária e na qualidade de vida, pelo menos para mim. Ah!! Quase esqueço!! Parabéns pelo blog!! Excelente e completíssimo!! Estou lendo tudo, de trás pra frente. Já sei que farei outro comentário no polêmico tópico da qualidade da UC... hehehehe... parabéns novamente! Abraço! Vinícius.

    ResponderExcluir
  14. Eu fui a Portugal, com as melhores intenções de estudar na universidade do Porto, e trabalhar. Pior bosta que fiz na vida. Povo honra quando são chamados de "burros". Ensino péssimo, 2 anos em media de atraso em relação ao Brasil, pos graduação não passa da graduação no Brasil, povo rude, mau educado, so velho birrento e mulher mau comida azeda. Povo idiota que se maltratam entre eles próprios. Vao ser extintos, afinal, os jovens somem de la por sete descriminados. Povo retardado, não sabem viver, apenas sobreviver.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vao implorar ainda pra Brasileiro irem para la. Anotem ae. Já não conseguem arrecadação com nada, falta mao de obra especializada, e o povo e ruim de trabalho.

      Excluir
  15. portugues tem inveja de brasileiros por sermos mais reconhecidos globalmente comparado à eles

    ResponderExcluir
  16. Enquanto o Brasil é para a maioria dos portugueses lixo para morar (falta de condições, criminalidade, saúde inferior), Portugal é um sonho para o Brasileiro mediano. Enquanto que um brasileiro que necessite de emigrar põe sempre Portugal entre os primeiros lugares, o português procura sempre outro país Europeu, mesmo que este tenha uma língua diferente (casos da Suíça e França com grandes comunidades portuguesas). E depois o português é que é burro quando não tem receio de emigrar para um país de língua diferente? Brasileiro quer é sol, praia, segurança, boas casas, mesma língua mesmo que tenham de ter empregos banais aqui. Até se juntam 3 famílias se for preciso debaixo do mesmo tecto para viverem em Portugal, algo que não é nada tradicional num português que viva aqui ou que emigre.

    O típico brasileiro que chega a Portugal não procura minimamente adaptar-se à cultura portuguesa e depois queixa-se que os portugueses são desconfiados e trombudos só porque não passam o dia inteiro a rir como eles. Muitas mulheres brasileiras chegam cá e andam todas descascadas a abanaram-se e queixam-se que nós somos retrógados? Se somos retrógados procurem outro país, não peçam a Portugal para mudar. Nós vivemos felizes assim, obrigado.

    Ao utilizador ou utilizadora que disse aí acima que os portugueses são consumidores de produtos brasileiros, só se for as novelas e mesmo essas já em muito menor nível do que há 10 anos atrás. De resto, não há nada assim tão relevante do dia a dia português que tenha origem no Brasil.

    Nota de rodapé: procurem "escória digital" na Internet para verem o quanto as pessoas têm em conta os brasileiros.

    ResponderExcluir
  17. Eu tenho certa dificuldade em entender o porquê de brasileiros e portugueses atribuirem toda a história do Brasil à Portugal.Por acaso esquecem que, independentemente de os portugueses terem aqui aportado em 1500 e por aqui terem estado por 300 e tantos anos, nosso desenvolvimento e engrandecimento se deu pelo trabalho árduo de italianos, espanhóis, alemães, poloneses, japoneses e outras tantas culturas que por aqui aportaram depois da nossa independência? Essas culturas que que para cá vieram, trazendo os seus sonhos, sua história e sua força de trabalho e empreendedorismo, fugindo de guerras, fome e catástrofes econômicas, jamais são lembradas nessas discussões infindáveis, que sequer mencionam a importância desses povos na nossa atual conformação cultural e o legado do seu trabalho na construção da nossa nação!

    ResponderExcluir
  18. Queridos e queridas, agora em 2017 as coisas estão melhorando por aí?
    Queremos, eu, minha mãe, meu filho, meu irmão e cunhada (enfim, toda família) nos mudar para Portugal, e fazer um novo recomeço aí. A princípio, queremos nos estabelecer e criar laços, evoluir e prosperar em Portugal. Não temos intenção de voltar ao Brasil.
    Eu sou artista plástica, minha mãe é aposentada, meu filho estudante de 10 anos, e meu irmão e cunhada são advogados e trabalham também com alimentação e construção (meu irmão faz projetos arquitetônicos em 3D e essas coisas que eu não entendo. Também é técnico em hardware.)
    Temos cidadania européia (Luxemburgo).
    Pensamos em Coimbra por parecer uma cidade pequena, com mais qualidade de vida. Talvez Lisboa.
    Minha preocupação é com meu filho, que agora tem 10 anos e faz o 5ºano. Ele se adaptaria facilmente? Há alguma prova de nivelamento?
    E sobre trabalho? A gente vai pronto pra o que der e vier, não temos medo do novo e estamos juntos pra crescer. A situação no mercado de trabalho tem se acalmado aí? Minha graduação é em Tecnóloga de Hotelaria, mas a princípio todo trabalho é bem vindo.
    Nossa meta é irmos no próximo janeiro pra conhecer os lugares, e em um ano irmos definitivamente, tudo bem planejado psicologicamente e financeiramente.
    Aceito sugestões e ideias sobre nosso projeto!
    Muito obrigada!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Beta Colling,

      Portugal está "surfando na onda"!!! A melhora econômica é visível por todos os lados, inclusive no boom de venda de apartamentos e outros itens. Deixe-me deixar claro, IMHO, esta é uma fase de bonança antes do caos, pois a meu ver, não tendo mudado ESTRUTURALMENTE em absolutamente nada desde a última falência (e intervenção do FMI), o destino português é repetir o mesmo fato em alguns anos. Mas isso é outra história...

      Beta, para um grupo grande de pessoas como vocês em que a maioria quer TRABALHAR, eu não recomendaria Coimbra. Apesar da excelente qualidade de vida, não é uma cidade com grande dinamismo empresarial ou um mercado de trabalho punjante. Para isso, Porto, Lisboa ou Braga são infinitamente melhores - às custas de uma perda na qualidade de vida, claro.

      Lisboa é a maior cidade de Portugal, mas, veja bem, é mais ou menos do tamanho de Juiz de Fora, Aracaju e outras cidades que nós consideramos de médio porte. Portanto, comparativamente ao que temos no Brasil, não é lá uma grande cidade, embora, obviamente, tenha TUDO que há em Portugal - e isso faz da vida por lá excelente para quem precisa trabalhar ou é relativamente jovem e quer "curtir".

      Seu filho não terá problemas em se adaptar aqui se vier de uma boa escola no Brasil. Tivemos contato com muitos brasileiros nestes anos todos e alguns tiveram os filhos com problemas nas escolas, mas isso porque vieram de escolas realmente de baixa qualidade aí. De resto, não há nivelamento. Basta trazer a documentação usual e matriculá-lo.

      Como dito, sendo brasileiros (o passaporte não interessa; o sotaque, sim), haverá alguma dificuldade inicial em arrumar empregos GRADUADOS. O que for simplório (bares, restaurantes, atendentes de loja e etc) é moleza. Empregos que exijam nível superior e onde efetivamente estejam concorrendo diretamente com um português, aí a história é outra e há SEMPRE menos oportunidades. Entretanto, HÁ oportunidades e levas e levas de pessoas trabalham em bons empregos aqui, só não é fácil - e vão sentir na pele o preconceito que mencionei no post acima.

      Sua irmã e cunhado podem (e devem) revalidar suas carteiras da OAB aqui - é um procedimento relativamente simples - para que possam advogar em Portugal. Não é uma "revalidação", portanto, não dá direito a ir para outros países da União, mas em Portugal poderá trabalhar como advogados.

      Eu sempre acho a ideia de investir no futuro de nossos filhos e no nosso (claro) uma boa ideia. Só gosto de enfatizar que ser emigrante NÃO é nada fácil, ainda que em um país tão próximo do Brasil como é Portugal. Portanto, não é para qualquer um. Antes de fazer a transição definitiva e queimar os navios de volta, porque não fazer um teste de um ano - deixando as opções de retorno abertas - e, caso se adaptem, aí sim fariam a transição definitiva? Pense nisso.

      Espero ter ajudado.

      Abs

      Coração

      Excluir